10 Jogos De Sucesso Feitos Por Apenas 1 dev | Extra Coin - Marketing Para Games

10 Jogos De Sucesso Feitos Por Apenas 1 dev

Você é um cavaleiro solitário no desenvolvimento de Jogos? Inspire-se com outros jogos de sucesso feitos por apenas 1 dev.

O desenvolvimento de jogos é uma tarefa árdua e requer muita disciplina, organização, sacrifícios e comprometimento. Muitas vezes, o fardo torna-se ligeiramente mais leve quando há a distribuição do trabalho entre várias pessoas ou equipes, cada qual cuidando de um aspecto específico do desenvolvimento (programação, edição de som, arte, etc.). Outras vezes, no entanto, seja por livre opção ou por real necessidade, todo o projeto de concepção do jogo fica a cargo de um bravo cavaleiro solitário. Se você é um deles, saiba que desistir não deve jamais ser uma opção e, para inspirá-lo, listamos alguns casos de games de sucesso que foram desenvolvidos por uma única pessoa.

1 – Beat Hazard

Fenômeno indie, Beat Hazard oferece um desafio bastante sólido baseado em ritmo, uma vez que os perigos são gerados de acordo com batidas musicais, em níveis que podem ser compostos à partir de qualquer música que o jogador quiser. Foi por muito tempo um dos jogos mais vendidos na Steam e seu desenvolvedor Steve Hunt (Cold Beam Games) está sempre ativo nos fóruns, lançando vez ou outra, melhorias para o seu game, como a excelente expansão Shadow Operations Unit, lançada em 2014 e que adiciona fator de replay infinito ao jogo original.

2 – Cave Story

Um dos primeiros grandes notáveis da cena indie antes da Era de Ouro do desenvolvimento independente de jogos, Cave Story foi desenvolvido ao longo de cinco anos por Daisuke Amaya e tornou-se popular por meio de fóruns especializados e muita divulgação boca-a-boca (algo quase impossível de se imaginar atualmente). A inspiração para Cave Story vem de clássicos amados por todos, como Metroid e Super Mario, reunidos em um mundo gigantesco, cheio de missões a serem realizadas e uma história tocante. Não fosse o bastante, Amaya ainda desenvolveu a própria engine! O jogo conta com finais variados, música de altíssima qualidade e uma direção de arte primorosa.

3 – McPixel

McPixel é um jogo focado em estilo e jogabilidade da velha guarda, utilizando gráficos pixelados e comandos simples para apresentar as aventuras de seu protagonista que tem apenas 20 segundos para salvar o dia. Com mais de 100 níveis, foi lançado para diversas plataformas e acabou ganhando destaque no PC pela estratégia curiosa utilizada por seu criador Mikolaj Kaminsk. Vendo o jogo sendo amplamente pirateado em sites de compartilhamento de torrents, Kaminsk liberou a versão original do jogo gratuitamente no PirateBay, pedindo apenas para que aqueles que realmente gostassem do jogo o comprassem em uma plataforma oficial posteriormente. O resultado foi um impulso enorme nas vendas oficiais do jogo.

4 – Lone Survivor

Uma das aventuras mais aterrorizantes possíveis em um jogo foi alcançada por Jasper Byrne e seu título indie, Lone Survivor. Valendo-se de gráficos pixelados, o game usa e abusa de referências de títulos renomados do gênero, como Resident Evil e Silent Hill, ao mesmo tempo em que conduz o jogador à experimentar uma sensação de intenso perigo e desconforto. O desenvolvimento de Lone Survivor ocorreu ao longo de sete anos, período em que a parte gráfica e sonora passou por diversas revisões, culminando em um game complexo que expõe a paranoia de seu protagonista sem nome enquanto avança em um mundo misterioso e alucinógeno.

5 – Another World

Saído da mente brilhante de Éric Chahi nos idos de 1991, Another World (também conhecido como Out of this World) coloca o jogador na pele de Lester K. Chaykin, um cientista que se vê transportado para um mundo alienígena selvagem quando um experimento com um acelerador de partículas dá errado. Seu grande trunfo está na direção de arte impecável, com direito a cutscenes e enredo cinematográfico, ligados a uma jogabilidade contagiante. Apesar de todo o trabalho digno de grandes produções AAA, Another World só conheceu o sucesso anos depois de seu lançamento, sendo até hoje cultuado como uma obra-prima dos jogos de plataforma.

6 – Papers, Please

Lucas Pope, criador de Papers, Please chegou à ideia para conceber seu jogo por experiência própria. Vivendo no Japão como imigrante, sempre se fazia necessário o seu comparecimento aos postos de imigração para validar seu visto de permanência no país. Após algumas experimentações, nascia Papers, Please, um jogo minimalista no qual o jogador assume o posto de um agente alfandegário que deve lidar não só com pessoas que tentam entrar no país (muitas vezes ilegalmente), como também com as obrigações domésticas, como saúde, alimentação e aluguel. Papers, Please provou ser uma experiência gratificante e muito divertida, apesar de estressante, que chegou a render até mesmo um curta-metragem baseado nas ‘aventuras’ do protagonista em sua cabine de atendimento.

7 – Axiom Verge

Antes de desenvolver Axiom Verge, uma verdadeira carta de amor à série Metroid, Thomas Happ esteve envolvido em projetos como NFL Street e Tiger Woods PGA Tour. Durante este período em que trabalhou para outras empresas, Happ conduziu sozinho a concepção de Axiom Verge, que é considerado por muitos até mais ousado e polido do que os próprios jogos que lhe serviram de inspiração. Ao longo de cinco anos de trabalho duro, Happ desenvolveu meticulosamente os inimigos que preenchem as enigmáticas salas do jogo, cada um de seus power-ups, armadilhas e até mesmo a trilha sonora. Com máxima atenção aos detalhes, Axiom Verge deixou de ser uma mera homenagem ao clássico da Nintendo para alcançar seu próprio lugar de destaque e com grande mérito.

8 – Banished

Luke Hodorowicz é o responsável por Banished, um dos jogos mais brutais existentes no mercado atualmente. O objetivo do jogador é desenvolver uma cidade com base em recursos escassos e um punhado de exilados, que devem enfrentar os desafios da vida selvagem e os perigos naturais para sobreviverem. Ao invés de focar em uma quantificação genérica do sucesso, Hodorowicz criou um sistema em que cada indivíduo em sua colônia realmente importa e pontos como fome, escassez, doenças e morte realmente importam e impactam diretamente na sua possibilidade de sucesso e progressão. Muitos consideram Banished uma prova incontestável de que é possível atingir êxito em um simulador de cidades mesmo sem dispor de grandes recursos ou uma equipe enorme para seu desenvolvimento, ao contrário do que a EA busca apresentar com a franquia Sim City, que sempre costuma deixar algum ponto a desejar.

9 – Stardew Valley

Insatisfeito com o rumo que os jogos da série Harvest Moon estavam tomando e precisando criar um jogo para incluir em seu portfólio, Eric Barone uniu o útil ao agradável, buscando inspiração em diversos aspectos de jogos como Rune Factory para atingir seu estilo único em Stardew Valley, que se tornou um clássico instantâneo, permanecendo por um bom tempo como um dos jogos mais vendidos da Steam, mesmo com sua jogabilidade focada na aventura singleplayer. Cinco anos de desenvolvimento renderam um jogo realmente belo, com uma agradável estética 16-bit, com um mapa enorme, cheio de segredos e muitas atividades à disposição do jogador. O sucesso de Stardew Valley é tão grande que Barone continua ativo em seu desenvolvimento, planejando melhorias para o jogo atual ao invés de uma simples sequência.

Pra encerrar essa lista de jogos de sucesso feitos por apenas 1 dev

10 – UBERMOSH

A história por trás do jogo nacional UBERMOSH (em caixa alta mesmo) é,  no mínimo, curiosa. Isto porque o game em estilo arcade e temática cyberpunk não foi criado por alguém já com experiência em programação de jogos, ou que tenha eventualmente trabalhado em jogos maiores ao longo de sua carreira, mas sim por um ex-cirurgião dentista. Walter Machado, responsável por UBERMOSH e suas sequências e derivações, como o eletrizante SWARMRIDERS (gratuito na Steam) trabalhou por muito tempo como dentista antes de trilhar os caminhos do desenvolvimento de jogos independentes. O grande destaque de UBERMOSH vai para a jogabilidade viciante, que é fácil de aprender, mas difícil de dominar.

O ritmo frenético do jogo também é um show à parte, instigando os jogadores a buscar cada vez mais um resultado melhor que o anterior. UBERMOSH não foi, entretanto, o primeiro título de sucesso de Walter Machado, que tem também em seu currículo o game Gearcrack Arena (não mais comercializado), resultado de apenas 72 horas de programação que obteve considerável sucesso de vendas.

Já conhecia esses 10 jogos de sucesso feitos por apenas 1 dev? Que os casos que citamos aqui sirvam de inspiração para você, desenvolvedor solitário. O caminho é longo, a jornada é dura, mas o sucesso pode se esconder logo ali, na próxima curva. E se você está desenvolvendo a promessa dos games e quer que as pessoas conheçam, comente nesse post o nome do projeto, pode ser um bom começo. Continue acompanhando nosso blog.

Faça parte desse post, deixe seu comentário!

Comentários: